terça-feira, 5 de março de 2013

Mentira e Truculência de Estado na Venezuela

Segundo o vice-presidente Maduro, neste momento, 5 de março de 2013, traidores imperialistas conspiram contra a revolução Bolivariana e seu líder supremo Hugo Chavez numa tentativa de desestabilizar o regime. Pode ser uma reviravolta no jogo politico e isso é a unica coisa que Maduro sabe dizer, alem de reafirmar a constitucionalidade dessa palhaçada que é eleger um doente terminal. Defender até a morte uma liderança criada através do uso de truculência sem limites contra seus opositores é irresponsável. Uma revolução caribenha meio cubana, meia-bomba, que na verdade não existe sem seu líder e que não teria um sucessor direto. A democracia venezuelana ainda esta sob prova de fogo, e se a mentira prevalecer, com Chavez morto, a porrada vai comer em Caracas.

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Os judeus e o Islã hoje

Acredito que seja importante algum tipo de esclarecimento sobre uma questão que vem ficando cada vez mais confusa e complicada de entender: os judeus e o mundo islâmico hoje. Não pretendo aprofundar e quem assim desejar dispõe de farta literatura sobre o assunto.
Nos anos 1100, a Europa e boa parte do mundo eram dominados pelo Imperio Otomano. Mas desde a morte do Profeta Maomé, eles nunca se entenderam com relação a uma linha de sucessao. Os judeus eram protegidos do Imperio, assim como os cristãos. Muitos eram obrigados a uma conversão, principalmente lideres que ameaçassem o poder do califado. Esses tinham que usar o Durban, um turbante, e ficar na porta do palácio do Califa, sendo alvo de chacota. Alguns judeus em paises como Espanha, onde existiam principes mais liberais, desenvolveram grandes afinidades culturais com os muçulmanos. Na Turquia, apesar da posição anti-Israel, a esquerda ainda se explode contra o imperialismo americano e os judeus são cidadãos.
Os xiitas iranianos que nem árabes são, com a Revolução Islamica em 81, transformaram o anti-imperialismo americano no OM numa questão nova, um novo tipo de guerra fria, onde Israel funciona como valvula de escape. O Islam não é antisemita, até por causa das semelhanças genéticas com os semitas e a cultura parecida. O problema não é religioso e sim política global. Existem judeus no Iran, e de certa forma se identificam com o regime por medo. O que esta em jogo no mundo é a liberdade.
Estamos vendo a Nova Guerra Mundial acontecendo na Siria neste momento. Xiitas contra Sunitas.
Xiitas e Sunitas contra os infiéis. E se estende para Israel.

sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Todo dia é dia de índio.

Com a chuva que tem caído direto na região sudeste, temos tido a sensação constante do que seria a vida na selva amazônica, na floresta da Tijuca ou nas terras de Araribóia, antes da chegada dos brancos. Humidade relativa do ar beirando os 100%. E não apenas a semelhança com a selva, parece que a chuva intensa e as calamidades causadas pela situação quase indigente da população, diante do castigo da natureza e da falta de investimento. Em alguns municípios onde ocorreram milhares de mortes nos últimos anos, assim como os índios do museu, não receberam verbas, mas o descaso do governo federal e da sociedade com um todo. Isso deveria levantar a atenção para a questão indígena e para a questão fundiária no Brasil, muito relacionadas entre si e com a cultura herdada desses povos,  sua mistura com os escravos africanos. Os índios e negros foram escravos, mas nunca foram indenizados, o negro virou cidadão livre mas pobre. O indio se misturou ao negros e brancos para poder ser cidadão. E assim continua a maioria, a despeito de uma minoria que pode tudo em Brasília e os que tem tudo demais em Rio-Sampa. A indignação inesperada causada pela ação de despejo do imóvel que servia como museu do índio, (grafado com minúsculas devido a relação do branco com os povos indígenas), demonstra o desconhecimento e descaso com que a sociedade e  o poder público vem tratando do tema indígena. Todos os problemas com índios são oriundos da falta de respeito com que esses povos foram e são tratados dentro da Constituição: índios são considerados como os loucos, não possuem direitos civis. Isso foi criado numa época em que determinados conceitos regiam a vida das pessoas, e a Igreja mandava.  O verdadeiro tributo a ser pago aos povos indígenas não será através de museus ou estátuas e monumentos. Parece muito a gosto do país: a gente mata todos e faz um enorme monumento, cria um feriado novo, o dia do índiozinho. Bacana. Apenas um retratamento digno, garantido na Carta Magna, para todas as nações em seus territórios, tratados pela lei como cidadãos com direitos iguais aos dos brancos, com liberdade total para optarem como administrar suas riquezas, poderia indenizar esses povos.
Aceitar e continuar com essa situação se torna insustentável, mesmo com base em pareceres antropológicos e científicos, teoria quase nazista contaminada com dogmas, que considera o índio incapaz e inferior como ser humano. A cultura das tribos nas regiões costeiras do Brasil, como os Pataxós, os Tupi Guarani, são milenares. Esses indígenas tiveram contato com navegadores de diversas partes do mundo, antes dos brancos doentes de tuberculose, gonorreia, tifo, invadirem o lugar. Achar que eles eram uma cultura inferior, sujos e pobres, profundamente errado e distorcido. E o pior, usar isso para justificar a destruição de uma cultura e o aniquilamento de todo um povo. Eles já conheciam o termo sustentabilidade muito antes dos PHD da vida. Tupã é o mensageiro do deus da chuva em Tupi-Guarani. Olhem bem com quem vocês estão mexendo!

Capitalismo de Estado ou Comunismo de Elite?

Petrobtras. | Foto: ABr
A Petrobras mantem funcionários que não precisa por imposição do Estado, diz a Economist
Recentemente li essa matéria de capa do jornal The Economist, mostrando o sistema de capitalismo de estado usado no Brasil. Somos famosos em todo o mundo, não apenas pelo traseiro das mulheres, finalmente. Mais da metade da força de trabalho do país recebe salário do poder público, criando uma verdadeira sociedade vertical, empregada dos governos municipais, estaduais e federais, sem contar com todas as empresas de capital público, agências governamentais, escritórios federais nas capitais, tribunais especiais como o eleitoral, justiça trabalhista, e por ai vai, tudo um verdadeiro absurdo, as custas de um povo humilde e muito do deixa disso...
Sobre essa mesma camada da população, incidem os maiores impostos, o que parece piada, mas é real. Os bancos de crédito e investimento disponíveis para as classes mais baixas e para o funcionalismo, são do estado. A justiça e a honestidade do poder público, são acessiveis apenas para poucos. Injustiça para todos. Poderíamos pensar que se trata de um jeito de manter a economia aquecida e deixar o capital dentro de casa. Isso se dá nos prostíbulos, onde o dono come as piranhas, não se esperaria esse tipo de atitude num Banco Central. Com o assistencialismo das  bolsas-famílias, maternidade, e outras esmolas, a classe dominante de hoje, os comunistas de elite sentados em Brasília, de segunda a quinta, acreditam ainda nesse tipo de distribuição de renda. Quando se aposentam aos 55 anos, do alto de suas pensões astronômicas, não percebem que o mundo não pode mais ser enganado. 
O Brasil é um país pobre e atrasado, que não investe nas áreas básicas como deveria ter feito, nos últimos vinte anos. Nem ao menos oferece educação saúde e moradia com título de propriedade para a maioria. Ao invés disso, penaliza a classe media, os empresários com impostos que inviabilizam investimentos nessa mesma camada e ainda por cima facilita a espoliação da sociedade privada através das taxas e juros bancários, roubo praticado a luz do dia. Por essa razão, produz uma nova geração de sub-humanos, com passaporte verde. O mesmo emprego oferecido numa empresa como a Siemens, na Alemanha ou em Israel, por exemplo, pode pagar até cinco vezes mais, em termos reais. 
As oportunidades em empresas de tecnologia, ou para enfermeiras, médicos, arquitetos, dentistas, cabelereiros, cozinheiros, e tantas outras áreas, são preferencialmente ocupadas por gente de fala inglesa. Um indiano, ou israelense tem muito mais chances na Europa, os hispanos e brasileiros, os árabes e negros são discriminados pela tradição de seus governos de exportar mão de obra barata, escravos brancos. O Brasil exporta faxineiras, entregadores de pizza, traficantes, prostitutas e travecos, a maioria com segundo grau completo. Ao aterrissar em Frankfurt, a primeira pergunta que me vem na cabeça: como pode uma cidade ter um hub desse tamanho, maior que todos os aeroportos do Brasil juntos? Os trens, as estradas, estações de trem, tudo muito limpo e organizado. Os banheiros incrivelmente asseados, o povo cordial e educado. Tem algo de errado aqui. Na Alemanha, eles pararam de fazer o que os "líderes políticos" mandavam fazer, derrubaram o muro de Berlim e acabaram com a mentira que é o comunismo. 
A Rússia que inventou esse método de progresso na porrada, junto com a China de Mao, tão na moda hoje, matou centenas de milhões de seu povo, até chegar ao modelo de capitalismo de hoje. O Brasil foi criado por uma monarquia portuguesa, cujo imperador se refugiou no Brasil para enganar Napoleão. Brasileiro é o único povo do mundo que tem nome de ocupação extrativista extinta: como tudo que termina em eiro, baderneiro, bagunceiro, maconheiro. Legal, né? Essa deve ser a causa da Sindrome de Complexo de Grandeza do povo local. Nunca houve um regime verdadeiramente comunista ou socialista no país, graças aos americanos. Se tivesse acontecido, teriamos um outro país. Talvez Brasilia produzisse alguma coisa, a maioria dos brasileiros moraria em conjuntos habitacionais, a caipirinha seria de etanol. Como os brasileiros ignoram o que seja comunismo, muitos deles,  por essa razão, continuam seguindo adorando e entronizando falsos gênios  como o arquiteto amigo do poder, que ajudou a exterminar o trem e forjar o paradigma do uso dos pneus e estradas. Sem querer, o camarada Oscar, o genio do paradigma de Brasilia, junto com Juscelino, criou o DNIT e sua máfia intocável. Um país sem trem, onde os miseráveis impedem o trem de passar por suas favelas, em sua maioria terrenos invadidos em áreas da União. Enquanto isso, os comunistas amigos do poder, sentados em seus botecos na zona sul, com seu chapéu de palha, tomam chope aguado e fumam seus cigarros, esperando viver até cem anos. Todos querem ser como o Grande Arquiteto: um dos maiores comunistas de elite, cujo traço simboliza o poder massacrante de Brasília e seus partidos sobre uma sociedade de otários, maridos enganados, ou melhor, os órfãos da Viúva. Marco de um comunismo moreno e amigo do poder, da Igreja, que sempre se ajoelhou, pelego.
Chegou a hora dessa gente bronzeada mostrar seu valor e derrubar de uma vez os símbolos desse poder corrupto e suas piramides, falsas doutrinas com suas bandeiras vermelhas, que não existem mais num mundo globalizado. Apenas investimentos em infra estrutura urbana e nas áreas rurais a tal da reforma agraria, uma educação de alto nível e uma preocupação com cada família, com sua saúde, numa moradia realmente digna de ser chamada de casa, poderiam mudar a cara do país, nos próximos vinte anos. Mas não, investimos em eventos! Os jogos e copas, mais uma roubalheira dessa máfia CBF/FIFA que se apossou do poder em Brasília, servirão apenas para tapar os olhos e ouvidos e calar a boca do povo. Uma vez terminado o sonho, em 2016, o saldo da conta do povo brasileiro estará tão baixo, que este talvez pare de acreditar nas mentiras, propostas de crescimento e falsas grandiosidades, obras desnecessárias, usinas que destroem a natureza e desperdícios como Brasília. Chega de amigos do poder, basta do Estado na economia.

domingo, 11 de novembro de 2012

O perigo da liberdade: o mundo não precisa mais revolução do que já tem!

Poderia ter sido qualquer um, mas escolheram Sattar. Por ser livre e escrever suas idéias. Acredito que o povo do Iran e seus cidadãos no exílio, tem as mesmas aspirações de paz e prosperidade que todas as pessoas normais tem. Não se trata do caso de demonizar um povo e todo um país por culpa de um regime teocrático que conta com apoio de uma maioria amedrontada pelas guardas revolucionárias: barbudos mal encarados que saem pelas ruas espancando quem eles quiserem que não se comporte de acordo com a versão da Sharia deles. Por criticar essa pretensa democracia islâmica, o blogueiro Sattar Beheshti foi torturado e assassinado. Era fã do Bon Jovi. Não dá para sentar na mesma mesa com o regime iraniano hoje, a única saída é derrubar esse regime, e isso só pode ser feito pelos próprios iranianos. Será que  a maioria do povo iraniano realmente apóia o sonho de poder islâmico dessa revolução dos aiatolás, deseja acabar com a América e seu estilo de vida permissivo e capitalista, eliminar Israel do mapa e transformar o mundo num império islâmico xiita?
Para evitar isso é preciso que cada vez mais jovens e velhos fãs de rock continuem pensando e escrevendo com liberdade de expressão, inspirados em pessoas corajosas como Beheshti. Esse não morreu em vão!

quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Sobre a Criação, meu aniversário, data da Revolução Bolchevique

 Comentando um artigo publicado pelo HBV no Boletim da ASA, onde fica claro que a gente não inventou apenas o comunismo, mas toda uma maneira de pensar o mundo. Meu zeide Benjamin Nedal Z"L, nascido na Lituânia, fugiu do exército do Czar na época, para lutar na Revolução. Sempre foi comunista, operário e militante do partido no Uruguai, para onde emigrou em 1919. Morreu jovem, mas plantou os trilhos do bonde do centro de Montevideu e deixou uma casa construída com sua hábeis mãos no balneário de Marisol. Nunca estudou, mas tinha livros espalhados pela casa, que lotavam as prateleiras. Por acaso, nasci no mesmo dia em que se comemora a Revolução Bolchevique, dia 7 de novembro. Poder perceber como o judaísmo da Torá evoluiu para uma forma mais justa de pensamento, criando judeus como Espinoza, meu zeide, HBV e tantos outros que se interessam pela obra de seus antepassados, paesar de  todo seu conteúdo esotérico e espiritualista, tentando recriar através dos ensinamentos dos sábios, um mundo materialmente melhor para toda a Humanidade. Obrigado a todos. Segue o comentário:


Henrique queridão, se a gente lê a Bíblia segundo o dogma cristão, percebe que este tenta de uma forma muito canalha atribuir a Criação da Terra e logo em seguida cria o Homem, como se tudo tivesse sido criado num passe de magica por um velho barbudo pelado sentado numa nuvem...e depois atribui isso tudo a seu filho pacifista...um judeu crucificado, através de imagens renascentistas da Criacao, e através da distorcao do texto "sagrado". Curto muito essa questão da Criação segundo Moisés, ou quem quer que seja que escreveu a Torá. O interessante ou curioso é que apenas uns poucos capítulos são dedicados a Criação e toda a saga de Adão, mas muitos foram dedicados a construção do Templo no deserto. O Midrash esta cheio de tentativas de esclarecer melhor a idéia do autor, no que se refere a esse fato de Adão aparecer no texto como o primeiro homem. A Torá não foi escrita como um texto, mas como um código para ser interpretado ou argumentado através de 13 medidas, uma espécie de lógica. Se Adão e Eva foram colocados no Jardim do Éden, existiam outros seres vivendo na Terra. Abel não teve filhos, pois não tinha mulher e não iria fazer com a própria mãe, que já tinha saído da costela do pai, o que em si, já eh uma besteira. 
O que aconteceu, ou foi a idéia do autor: existiam outros seres parecidos com o ser humano, os Nefilim e o texto da Bíblia não ignora isso, apenas foi deixado de lado. Caim foi expulso ao matar Abel e foi morar na Terra do Peido, Eretz Nod, afastado do Eden. Isso esta no pshat, leitura literal, em capitulo 4, versículo 17: e conheceu Caim sua mulher, purificou e pariu Chanoch e foi construtor de cidades e deu o nome de seu filho Chanoch a cidade. Diz o Midrash, que Caim e suas mulheres, foram visitar Adão e Eva, e estes ja eram velhos. O sogro de Caim, um velho enorme teria acompanhado e repreendido Adão por não falar com Eva desde que Caim se foi. Quem é você para falar do meu marido, pergunta uma das mulheres. O casal reatou depois de quase cem anos e tiveram Seth. Seth teve Enosh, que significa Humano. 
Toda a geração de Caim e os nefilim foi extinta. Isso lemos na frente em Parashat Noah, ou Noé. Segundo o midrash, toda essa geração foi destruída pelo Diluvio. Sobraram apenas os descendentes de Noah, que por sua vez descendem de Adão. Se a gente le apenas o texto literal, então Adão foi trazido pela cegonha, por um ET, ou mais provávelmente teria evoluído de outros tipos de Homo. Ou entãom  era um ser tipo hermafrodita, uma evolução da espécie, único. A metáfora no texto: D'us fez Eva como uma "ajuda contra ele mesmo". Cheio de ar, o lado masculino, o Yang, só se torna integro se tiver a Terra, a Hava (o presente), Yin. A semente é fria e o útero quente...e por aí vai.
A Torá não é apenas um texto sagrado, mas  uma tentativa Humana de explicar o inexplicável: a Mãe Natureza. Outra explicação bastante interessante sobre o que seria o Paraíso: o Pardes, uma espécie de laboratório genético onde evolui a mente humana, até chegar ao pleno Saber. A Sabedoria, sendo desenvolvida ali, dentro de Haran, a Terra da Merda. O início de uma outra dimensão, de onde sai um Novo Indivíduo, o Homo Sapiens, Homem e Mulher no mesmo corpo, como explica o Rashbi (r Shimon Bar Yochai) no Zohar Bereshit. 
No Inicio o Ser era apenas Biná, Compreensão. Os Homens que descenderam das gerações de Chanoch, Matusalém, e outros viviam 600 a 900 anos. Tudo no mundo havia sido criado com Hesed. E se mostrou ineficiente e foi destruído. E uma nova geração, agora com Guevurá, numa outra Sfira, outra contagem, outra forma de contar a História. Agora dotado de poder da Sabedoria, chegará ao pleno Conhecimento e assim poderá sobreviver, apenas por míseros 120 anos, num mundo tão disputado pelo Bem e o Mal. 

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Ninguém sai...

 Numa roda de de pôquer ilegal, como dessas que vemos nos filmes, que acontecem sempre numa suíte de hotel, todos fumando charutos, bebendo doses de uísque caubói. Um dos jogadores desconfia que alguém está roubando. Talvez as cartas estejam marcadas ou na manga de um dos jogadores, outro ás de ouros...ninguém sai, diz o jogador que está perdendo, sacando sua arma...Surpreendentemente, ninguém esta armado, apenas o "perdedor".
       
 Este ameaça atirar e manda todos para o chão, como nos filmes. Pega o dinheiro sobre a mesa, celulares, chaves, anéis, correntes de ouro e os relógios que estavam sendo apostados. Arranca o fio do telefone, sai da suíte e pega o elevador, mas ao chegar no lobby do hotel é cercado pelos seguranças. Não percebeu que o ambiente estava sendo filmado.

Mais ou menos esse é o cenário que norteia as relações entre os setores do  poder no Brasil.
Um sistema político democrático, mas estruturado em três poderes que não se entendem muito bem: entre eles um judiciário arcaico e comprometido com o poder. As demandas e necessidades do povo e do país não são nunca atendidas. Mas o sistema oprime o cidadão de um tal modo, isso quando não o executa a sangue frio. E tome mais leis e regras dos engravatados, impostos, obrigações de votar, disso daquilo e proibições de plantas e substâncias naturais, o que parece absurdo mas existe. As leis são ditadas por interesses próprios das elites oligárquicas e politicas, militares, hierárquicas, ao poder interessa manter a justiça e os excelentíssimos srs juízes em sua aba.

A justiça deveria ser livre e independente, nunca classista, institucionalizada, cartorial, governista, como vemos no Brasil. Apenas decisões erradas de uma sociedade terceiro-mundista, cuja imensa maioria é pobre estruturalmente, podem levar a esse nível distorção que assistimos e convivemos aqui. A mentira, a corrupção e cara-de-pau institucional se tornam nítidos em jornal, revista e audiovisual, na web e na mídia. Faltam boas escolas, educação não se aprende na TV!

O sistema perde a credibilidade perante a sociedade, que trata o assunto no mesmo nível que outros reality shows. O povo comenta nas ruas as novelas e o julgamento, além do futebol que ocupa muito  espaço livre do HD e do QI brasileiro. Andam pelas calçadas esburacadas, respirando gás, lendo jornais nas bancas, assistindo as TV nos bares e restaurantes, vibrando quando o novo herói togado afro-brasileiro faz mais um gol na corte. O povo tem sede de justiça e torce para colocar algum político corrupto na cadeia. Mas revolucionário que se preza se exila!

Claro que se trata se uma mixaria, dizem, um roubo infantil, uma quadrilha de exilados que se viu no poder e se achou no direito de roubar geral, se lambuzou. E isso é muito primário. Falta a experiência dos coronéis, dos caudilhos, dos bicheiros, afinal das contas no caixa dois da vida, o PT e seus asseclas são neófitos. Na manutenção do poder então, se comparados com a monarquia e a república de um partido só, do AI5, crianças se lambuzando. Eu chamaria isso de mesadão e não mesalão. Um detalhe, continuam mandando no país, inclusive parece que uma revista masculina está interessada e já  tem fotógrafos querendo clicar nua a chefe. Ninguém sai!!!!!

Lula Grelhada com Arroz da Tinta