quarta-feira, 20 de junho de 2012

Rio+40 ladrões


Rio+20, ou seria Alibaba+40 ladrões?

Rio, uma das cidades mais caras do mundo, abriga a Rio+20, conferencia da ONU sobre assuntos que os índios que moravam na cidade antes de serem aniquilados pelos brancos já eram doutores: sustentabilidade, ecologia, e muito mais. O português acabou com os índios e agora pretende acabar com o resto da população. Os impostos em cascata encarecem até o cafezinho expresso tirado na hora em máquina italiana, feito com grãos tipo exportação. Tomar a nossa Perrier junto com o café, se der para dividir em dois melhor, pois até a água mineral está pela hora da morte. Daqui a pouco estaremos bebendo água do mar dessalinizada com gás metano.


E como esta muito cara essa roubalheira fantasiada de conferencia, o pessoal de alguns países boicotou. Acho que  para resolver coisas que precisam ser resolvidas no mundo, como o fim do uso de energias que destroem o planeta a longo prazo, e a avaliação de outros tipos de energia mais modernos, não precisaria gastar mais carbono e inviabilizar o transito de toda uma cidade durante algumas semanas. E entre essas questões esta a energia nuclear. Claro que não pode ser resolvido no Rio, e sim entre os grandes poluidores e os países especializados nessas tecnologias. No dia que a Alemanha ou Japão resolverem sediar uma conferencia sobre como resolver os problemas recorrentes da produção de lixo, mudança do paradigma da economia em escala, energia alternativa, distribuição de renda, aí passarei a acreditar nesse tipo de iniciativa. Dinheiro público que falta nos hospitais a gente tem que ver sendo usado para fazer instalações futuristas no meio das favelas. Muito triste ver os pobres com seus crachás e uniformes achando que estão trabalhando como voluntários para alguma coisa, enquanto os mangues e os rios estão entupidos de pets e lixo orgânico, assoreando os mananciais. E ninguém pretende fazer nada na pratica para limpar as favelas, realocar os moradores, inexiste uma política publica no Brasil para isso e por que raios um pais de pobres com este precisa ver um monte de ricos em carros oficiais sendo escoltados por batedores?

Banir o Petróleo seria uma medida de extrema eficácia na redução das emissões de gases. Segundo cálculos publicados pela OMS, a maioria dos problemas de saúde relacionados com a qualidade do ar, se deve a exposição ao monóxido de carbono e os metais como mercúrio inalados na atmosfera das grandes cidades. O mesmo médico que trata nos hospitais, ajuda a produzir novos doentes com sua enorme pick-up a diesel ou gasolina. Mudar a mentalidade humana, dos países para adoção de políticas econômicas e sociais mais coerentes e conscientes, utilizando os recursos que a natureza disponibiliza, educando as gerações para explorar respeitando a liberdade de opinião de cada indivíduo e a cultura dos povos. Isso não se consegue com globalização e sim com educação e preservação da cultura e tradição de cada povo. Com o ensino das origens de cada um e não com o negacionismo, como pretende o Iran.

O mundo vive hoje dias conturbados, com ideologias religiosas pretendendo manter o Homem na escuridão da Idade Média, dormindo no tapete persa, discriminado a mulher que agradece por levar uma vida escondida atrás de seu lenço, preparando o sanduíche de azeite e queijo de cabra, que leva em sua lancheira todo dia para o palácio presidencial, de onde comanda humildemente um regime que espalha pelo planeta, todo o ódio que sente pelos americanos e judeus, especialmente. Vende seu petróleo que ajuda em muito seu plano maligno de conquista do mundo pelo Islam. 

A verdadeira guerra se dá hoje nesse plano: manter as mentes ocupadas com valores religiosos, se entregando ao sacrifício contra os valores mundanos e a liberdade, o arbítrio. Gog e Magog. Essa guerra do fim do mundo não precisa armas convencionais, apenas o terror basta para destruir moralmente o inimigo. E o petróleo ajuda a financiar as operações contra a civilização, o acesso a informação, a liberdade de pensar e ser livre. Por outro lado, os próprios países árabes, vivem uma falsa primavera, que na melhor das hipóteses, acaba considerando liberdade democrática algo parecido com o Iran, para se livrar do opressor e de regimes ditatoriais que exploravam o povo, elegem a verdadeira e mais perigosa das ditaduras: a islâmica. Aceitar alguém como esse baixinho persa como líder de uma nação, com sua falsa humildade e seu fervor religioso explosivo, parece piada em pleno século XXI. Xerxes era tão humilde como Ahmadinejad, também pretendia dominar o mundo e era feio.

Fica claro que esse cara é o protótipo de um Adolf Hitler, e a concepção dele sobre xiismo é nazi-fascista: seu discurso negacionista do Holocausto, o spinning mais provocativo que já foi criado: no fundo, nada mais é do que uma negação da História. Não esquecer que os islâmicos foram aliados dos nazistas e o próprio nazismo inspirado em alguns aspectos da pureza ariana, que nada mais é do que um ramo persa. Curiosamente, apesar do ódio a Israel e tudo que representa, a lei do  Islam permite que os judeus vivam e mantenham suas riquezas no Iran, continuem observando as leis e tradições, mas estão proibidos de sair, como em Cuba. Não restará nenhuma ideologia sobre a face da Terra, além do Islam, segundo Ahmadinejad, o califado será em Jerusalém, sem espaço para discutir o que quer que seja, muito menos sustentabilidade. E como ele são seus colegas Hanye do Hamas, entre outros líderes que parecem inocentes, o recém eleito presidente do Egito. 

Trazer essa escória da humanidade, esse verdadeiro lixo tóxico para o Rio, é um crime contra a população de todo o país. Contradiz qualquer iniciativa dessa conferencia e tira a credibilidade e demonstra as verdadeiras intenções de todos os organismos ditos mundiais: são apenas vítimas da ilusão coletiva em que o mundo caiu após a segunda grande guerra mundial. Do poder das ideologias políticas sobre as religiões. Marx estava errado, o capital e o ópio são sócios, e D'us não ganha nada com isso!

terça-feira, 27 de março de 2012

Composto sintético da maconha reduz a agitação e melhora o apetite dos pacientes com Alzheirmer - International Psychogeriatric Association, 20/08/03

Essa matéria foi publicada em 2003. Até hoje, o preconceito contra a planta ainda é muito grande.

No Brasil, existe uma maioria moralista e religiosa, assim como nos USA, onde um garoto negro foi assassinado a sangue frio e agora "descobriram" que existiam traços de cheiro de maconha. Aqui na Barra, um rapaz foi preso por portar um cigarro de maconha no carro.

Na verdade estava bêbado, e tinha cheirado cocaína: parou na padoca para comer um joelho, doces, tomou um litro de Coca, voltou para o carro e se dirigiu para a praia onde acendeu o baseado que o denunciou para as autoridades. O problema parece ser a larica.

O ser-humano nasce com receptores para os cannabinóides, devido ao uso da planta por seus ancestrais, do mesmo modo, o álcool, tabaco, e outros alcaloides. O organismo não esta preparado para absorver o açúcar. Este último, amparado por uma fortíssima industria e mídia, consegue esconder que mata mais que todas as drogas lícitas e elicitas, juntas.

Composto sintético da maconha reduz a agitação e melhora o apetite dos pacientes com Alzheirmer - International Psychogeriatric Association, 20/08/03

sábado, 24 de março de 2012

Um Pesach difícil.

Cada vez mais difícil comemorar Pesach, o tempo de nossa liberdade. Em nome dessa liberdade, criamos um novo exílio, dentro de nossas casas. Nosso povo, mesmo com Israel moderna, não consegue lidar com o terror. Um terror inventado por nosso povo. Esta na hora da gente acabar com toda essa violencia e poder comemorar.

sexta-feira, 17 de fevereiro de 2012

Burras e Babacas do Brasil 12, ou Tem Culpa Eu?

A gente sacaneia os portugueses, adora contar piadas, elege palhaços. Já superamos em muito os lusitanos, por conta de termos sido colonizados por eles. Usamos, ou melhor, estragamos o musical idioma português para expressar nossa cultura multi facetada, usando expressões incompreensiveis o tempo todo e muitos palavrões. Valheu, aee sangui!!! Usar um idioma pouco utilizado no mundo como o português, além de outras barreiras alfandegárias e anos de protecionismo para a industria incompetente, já nos deixou para trás, até no futebol. Somos os maiores hoje em impostos, taxas de juros e assassinatos. Exportamos nossos talentos para a Europa: travecos, faxineiros, prostitutas, churrasqueiros, manobristas, gerentes de restaurante e claro, os jogadores de futebol. Essa parece a pior classe de brothers: poderosos, novos ricos, que tudo podem e que os meninos do país-favela idolatram. Uma classe comprometida com valores materiais, superficiais, que transforma o esporte numa vergonhosa industria de fabricar encrenca, popozudas e idiotas bebados. Os cientistas não voltam, o resto volta deportado, ou arruma encrenca. Portanto, se surpreender com o lixo humano mostrado no BBB, estamos indignados com nossas próprias mazelas, minha gente. A ditadura militar, a igreja e as oligarquias que consolidaram, se mantém no poder de Brasília até hoje. O sistema político podre permite que famílias poderosas se mantenham nos estados, graças a seu poder e influencia: enormes territórios, estados improdutivos, gente ignorante. A pobreza gerou muitos votos para o PT de Lula que se alinhou aos movimentos antes revolucionários e hora caretas e conservadores. Peraí, vamos de Land Rover até o Senado bater o ponto e voltamos para nossas casas no lago. O populismo de Lula, virou o novo justicialismo eficiente e fajuto do funcionalismo público, onde metade da população economicamente ativa no Brasil esta na folha de pagamento de algum orgão publico dos inúmeros "poderes" que bagunçam a vida do cidadão. Como a lei eleitoral proibe a compra de votos distribuir o caixa entre os funcionários públicos. Esses tem boas aposentadorias e beneficios. Para o pobre umas bolsas-miséria e o resto da classe média se vira: quem puder pagar, ok. Senão, mande seu video para o próximo BBB, afinal qualquer um pode ser um Brother ou político, dá na mesma!!! Tem poder demais e educacao de menos, saúde de menos, transporte a menos e mais gente presa por fumar maconha e roubar shampoo e outros pequenos delitos, assassinatos frios e cruéis por motivos fúteis, pistoleiros que podem matar por menos de 500 reais. Mas os corruptos seguem roubando os recursos públicos para manter o poder e seus partidos no poder, em seus ministérios e nos orgãos federais. A roubalheira sistemática, respaldada por juízes corruptos. Pronto , falei. Não existe uma fórmula educativa que possa reverter o quadro de ignorancia, estupidez, falta de informação, alienação, provocados ao longo dos anos, pela falta de um sistema social mais justo, uma educacao pobre, professores que recebem salários de fome, verbas de pesquisa que nao existem. O Brasil saltou de 90 milhoes em ação, (eramos analfabetos e pobres, mas construímos o Maracanã e a Ponte Rio-Niterói), para 180 milhões sem ação. O povo deixando a militância para ir a igreja, ao churrasco, futebol, cerveja e BBB. Somos o que assistimos, e a crítica não deveria ser para a emissora, o apresentador supostamente letrado, ou mesmo o BBB. Explicando melhor: como se surpreender com o baixo nível de um programa, se o que vemos fora das cobertas e dentro delas na casa do BBB e no resto da porcaria de TV brasileira, somos nós mesmos, as burras gostosas e os babacas brasileiros? Todo um povo iludido pela perspectiva de se mostrar, de sair do armário, de ser alguem na vida, um ex-BBB, talvez. Alimentar os canalhas das revistas e jornais de fofocas, com novos famosos e celebridades, para que eles possam criar mais lixo impresso para masturbação coletiva e privada. Criar os novos protagonistas de nossas campanhas publicitárias que vendem cada vez mais coisas que ninguém precisa. A imprensa e a mídia fazem seu trabalho; técnicos usamos nosso talento e conhecimento para dar vida a imagens e som. Mas do mesmo modo, o interesse econômico fala mais alto e corremos o risco de trazer conteúdo moralmente errático e pobre para toda uma geração, não é, sr. Bial? Assim como somos o que comemos, respiramos o ar que poluímos, comemos os peixes com metal que jogamos no mar, as frutas e hortaliças que tratamos com veneno. Somos um bando de escrotos. A TV brasileira consegue ser uma das piores do mundo, por reflexo da cultura e nível educacional de sua população: não adianta vir com o papo de que ah, mais a propaganda premiada, as novelas vistas na China, etc...tem coisa boa no meio da porcaria, mas o lixo das igrejas, programas de auditório para idiotas, os documentarios em VHS da TV Brasil, TV Senado, TV Camara...o poder na TV, as igrejas com seus pastores mentirosos e os falsos profetas, e as novelas de hoje com seus atores empalhados repetindo sempre os mesmos personagens com outro nome, em outra situaçao, ex-modelos e ex-BBBs...tá foda!!! O Brasil se tornou uma enorme favela, um pais de excluidos cuja opção no menu que lhe resta, apenas assistir sua própria triste e feia realidade. Vamos todos morar em Paris. Afinal, brasileiro que se preza, rouba o pobre daqui e mora em Veneza!

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

Anarquia de estado?

Estado dos anarquistas ou anarquia de estado? "A luta contra o extremismo judeu recente pode ser ganha apenas através de uma liderança corajosa, que saiba enfrentar os representantes dos colonos e dos haredim, ultra-ortodoxos nacionalistas". Tirei isso de um artigo de jornal israelense Haaretz. O artigo fala sobre grupos extremistas nacionalistas religiosos, chamados de "bando de anarquistas" pelo premier Bibi. Isso me motivou a escrever este artigo. Veremos quem esta anarquizando. Na curta historia de Israel, passamos por diferentes atitudes do governo com relação ao territórios, ou Yesha, como preferirem. Quanto mais a direita, mais colonos vieram, com nível economico melhor querendo morar na Eretz Israel Hashlemah. O mesmo boom se deu em Jerusalém Oriental, nas regiões de Ma'ale Adumim, entre outras, na Bikat Hayarden, o Vale do Jordão, desprezado pelos povos da região e revitalizado pelos colonos, e também nas colinas do Golan. Quanto mais próximos aos europeus e americanos ficamos, apoiamos tambem as leis internacionais criadas sem fundamento, sem acordos implementados. Resolucoes de paises cujos governos eram ditaduras. Já dependemos do apoio desses países. Agora vemos nos últimos anos uma enxurrada de gente falando iidish e inglês nos territórios A, B e C. Criamos enclaves, com grupos oriundos de sociedades desenvolvidas com muitos filhos, construindo para eles nas pedras e em desertos com cabras e pastores beduinos. Claro que os garotos vandalos, escutam as vozes de rabinos radicais que desejam expulsar todos os que não são judeus. Será que eles não tem o que fazer, ou será que estão decididos a perturbar para que se defina esse status-quo? Os grupos como Shalom Achshav, ou o grupo de jovens que andaram pedindo reformas na tendas, talvez tenham mais condições e conhecimento de causa, mesmo do ponto de vista militar, para lidar com representantes dos moradores dessas áreas. E poderiam dialogar com os árabes para tentar encontrar uma solução conjunta, se é que existe, incluindo outras organizações de países árabes para discutir um plano de ação que procure amenizar temas como os refugiados de 48. Para um estado judeu, cujo povo sofreu holocausto, essa questão deveria ser a verdadeira questão, mas não é. Os extremistas que agridem o exército e civis, inclusive outros judeus e mulheres, são criminosos. Quando uma sociedade deseja viver em PAZ, pode ser em Eretz Israel ou em qualquer outro lugar do mundo, deve se portar de acordo: se são tementes a D'us, seguir as leis do lugar, pois assim esta escrito. Conviver como gente civilizada, respeitando o próximo, antes de mais nada. Mas não se deve misturar alhos e bugalhos: o que acontece com os colonos, difere substancialmente do que acontece com o pessoal de Mea Shearim, em Jerusalem. Em comum, esses grupos tem os subsidios e ideologia e desejam viver de acordo com suas tradições, fechados em enclaves. No shteitl, mas protegidos por essas mesmas leis e governo, por um exército dos mais modernos do mundo. Nas cidades, abusam do direito de guardar as tradições e os mandamentos. Agindo como vem agindo, o sistema politico do governo Bibi, e da Knesset, sem negociar as fronteiras e a convivencia com os grupos palestinos, em geral, beneficia as coalizões e os partidos religiosos no poder, garantindo para alguns grupos a sensação de liberdade para encarar a Lei da Torá, acima da lei. Respaldado pelo eficiente sistema judiciario, que garante a liberdade de ação dentro de territórios que já foram objeto de resolução da ONU. Então quem é anarquista, senhor primeiro-ministro?? Na minha visão, é o governo que não negocia com ninguém. E ainda joga a culpa na esquerda. Por se recusar a negociar com todas as partes, perde a oportunidade de estreitar laços com a Russia e Brasil, China os grandes de hoje, o que não é bom nem para o pessoal de Borough Park e Brooklin. Enquanto isso, na falta de uma guerra convencional como estavam tão acostumados e nunca mais definida, enfraquece a moral da sociedade, o espirito defesa deixa de ser prioridade e a ação policial prioridade. Sinal de normalização do estado judeu ou androlomussia? Existe o medo extremo de aceitar que a região pode se transformar num enorme Iranistan ou Turkistan, o que seria melhor o segundo, pelo menos recebem bem e a comida deles é maravilhosa!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A unanimidade é burra, a humanidade também?

Vivemos num mundo superficial, sem ideologia e com religiões totalmente diferentes, dissonantes, baseadas em nas mesmas superstições, milagres, motivadas pelo ódio ao diferente, desejam destruir seus concorrentes. Como o futebol, tudo não passa de um imenso negócio... Originalmente criado para legislar sobre o caos, organizar a sociedade dentro de um padrão moral, material e espiritual, o texto bíblico se tornou instrumento de opressão do individuo. A fé pura, espiritual, inerente a natureza humana, é manipulada por profetas, visionários. As mentes dos fiéis se tornam instrumento de manobra na busca pelo poder. As religiões estabelecidas majoritárias tampouco são unanimes em suas crenças, o que demonstra a capacidade enorme do homem em interpretar as leis e criar mandamentos "divinos". A proposta original, na Torá, interpretada de diversas maneiras, diz apenas: "Justiça, Justiça, buscarás...e amarás o próximo, como a ti mesmo". Atenção para a vírgula!! No original, o significado desse versículo muito explorado pelo cristianismo, quer dizer apenas: busque ser justo em todas as medidas e com todos...e todos serão iguais, assim como você. Todos serão iguais, dentro das possibilidades do todo. Mas o sonhador, o profeta, promete um mundo melhor para seus seguidores, ama a todos como a si mesmo, mas a chave do cofre fica na mão de seu representante, ou seja, um cara só. Talvez esse seja o melhor exemplo de como um texto genial, criado por inspiração quase divina, pode se converter em algumas religiões que idolatram um homem, e até mesmo em regimes comunistas baseados nas idéias judaicas de justiça social. Para os que compartilham da mesma imbecilidade e se deixam explorar por outro tipo de regime que promete um mundo melhor, para seus líderes, a riqueza e o poder, para o povo, filas e opressão, miséria e alienação coletiva. Tem gente demais rezando e acreditando em coisas que não existem. Coisas cada vez mais óbvias, como Papai Noel e acender velas para iluminar a escuridão, quando já temos energia elétrica...e associando isso com o Criador e sua Criação, cujo ser-humano, parte menor dessa enorme Obra, parece empenhado em destruir. O ser humano se considera acima da Natureza. A palavra Elohim em hebraico tem a mesma gematria (numerologia) de Téva, ou seja, Natureza. Quando Moises ficou 40 dias no alto do monte, os chefes das tribos foram cobrar de Aaron, perguntando "aie haelokim shelcha"? para isso nos trouxeram ao deserto, para nos matar de fome e sede?" cadê os seus lideres, explica o Lubavitcher Rebbe. Revoltados pela ausencia de liderança, numa situação de sobrevivência, doaram seu ouro para fazer um ídolo. O mesmo fazem ainda hoje, em todas as religiões. Os líderes agora estão em cada um de nós, mas ainda não percebemos. A maioria silenciosa ainda olha os jornais na banca, e procura nas manchetes um novo líder, que não virá. Por outro lado, acesso em massa a informação, de forma anárquica, transforma a sociedade numa maquina de derrubar governos e ditaduras, mas pode levar ao poder partidos mais radicais e fundamentalistas. A era da estupidez deve acabar em breve, meio que na porrada, ao gosto popular, e o homem perceberá seu erro. Se o mundo continuar acreditando em palavras e promessas humanas, não olhar a sua volta e perceber que todos os seres humanos são iguais e compartilham a mesma casa, o futuro próximo pode ser de guerra e terror para todo o planeta. Do mesmo modo, se a sociedade de consumo não se tornar rápidamente mais verde e sustentável, adotando práticas de reciclagem, mudando hábitos de consumo, deixando os combustíveis fósseis de lado, jogando menos lixo e produzindo mais energia limpa, a natureza continuará reagindo cada vez mais as agressões e extinguirá a vida no planeta, como já aconteceu antes. Para os cientistas, os fósseis provam, para os crentes, o Dilúvio pode ajudar a cair na real enquanto há tempo. Ouvir a voz que vem do coração, o ano todo, ser uma pessoa mais relaxada, como Noé, e acreditar no que sente ser justo e nunca no que os outros dizem que se deve fazer. Assim como as redes sociais ajudaram a derrubar regimes que massacram civis, através da tecnologia os homens podem se igualar e tentar evitar ou retardar o aquecimento da Terra e o conflito entre os que não conseguem enxergar além de suas crenças e dogmas. Será que ainda da tempo? Não custa tentar. Feliz Mundo Novo para todos!!!

Lula Grelhada com Arroz da Tinta