quinta-feira, 25 de julho de 2019

Paris Bordeaux ao Vinho com Sergio Nedal

Fomos conferir a Bio Expo Bordeaux que aconteceu na cidade francesa em junho. Ali encontramos produtores comprometidos com o processo orgânico, provamos diversos vinhos certificados, de diferentes regiões, ate um Terret, branco com sabor e eram de gergelim, cuja produção e inferior a 1% de todo vinho francês. Descobrimos que o Tannat, nosso apreciado uruguaio, que veio da Franca, se adaptou melhor aqui e usado apenas em regiões como Madiran, onde entra de leve no corte junto com outras uvas: ou seja, nao existe um Tannat 100% francês!!


Depois, fomos visitar alguns produtores na região de Saint Emilion, e comprovamos o uso dos cavalos , o fim do uso de fertilizantes e adubos nao orgânicos, assim como degustamos vinhos sem sulfitos! O vinho sem conservantes pode durar tanto quanto, depende da assepsia e limpeza processo, o que os francêses são campeões. Tudo muito limpo e organizado, videiras antigas e muita tradição. <a href="http://virtualpalato.com.br/wp-content/uploads/VPFrance2019-22-de-107.jpg"><img class="alignleft  wp-image-5026" src="http://virtualpalato.com.br/wp-content/uploads/VPFrance2019-22-de-107.jpg" alt="" width="400" height="225" /></a>

Se voce pretende fazer uma viagem ao interior de países como a França, prepare-se para provar os melhores vinhos que talvez voce nunca venha a comprar e colocar na sua adega, principalmente pelo preço salgado decorrente do cambio: com o Euro a 5 reais o brasileiro tem que pensar muito antes de sentar num restaurante de chefe como o Le Bordeaux do chef Gordon Ramsey. Um menu degustação com entrada, prato e sobremesa pode chegar aos 50 euros o que para os turistas do mundo civilizado, chineses, japoneses , americanos e europeus aposentados parece barato, um vinho de 50 euros também. Mas para nos, do mercosur, resta a esperança e nossos vinhos de qualidade com precinho muito mais atraente. Uma boa noticia, para quem nao quer transportar nada pode comprar os franceses de Bordeaux, St Emilion, Cote du Rhone, Medoc, aqui no Brasil, mais em conta que na França. Como assim? Os importadores ja pagaram pelo vinho alguns anos atras, com cambio mais baixo, exemplos voce pode constatar no mercado nas lojas como Zona Sul, Carrefour, etc...

Fora os preços dos hotéis e da comida,  Armagnac foi uma das bebidas que mais me impressionou, pelo aroma e diferenca que tem como o Cognac. Descobri que ambos são a mesma coisa, porem produzidos em regiões e com cortes de uvas regiões diferentes: Cognac usa apenas uma uva branca, Ugni Blanc e o Armagnac usa o corte de três uvas brancas. Pode ficar ate 40 anos no barril e custa uns 12 euros a dose.

quarta-feira, 24 de abril de 2019

Achva, Fraternidade, um kibutz árabe em Israel.

Fraternidade, um kibutz árabe em Israel.

Ir para navegação Ir para pesquisa

O kibutz árabe Achva foi fundado nos arredores da cidade de Lod em 1949 e disperso em 1951. Pela primeira vez, ouvimos falar do kibutz em 1992 por Abo Ragab Hassouna, membro de uma antiga família de pomares cítricos em Lod que Era então um menino de cerca de 17 anos. Ele conhecia as pessoas e sabia sobre os iniciadores e os pensadores da idéia. Com o incentivo da Histadrut, sua família estabeleceu uma cooperativa que lidava com a comercialização de frutas cítricas. Naquele mesmo ano, conhecemos alguns dos ex-membros do kibutz árabe, que tinham vinte e poucos anos quando Lod foi conquistada. Fomos procurar o kibutz que foi construído na estrada para Ben Shemen e descobrimos que o pátio ainda estava de pé. No centro havia um medronho grosso e ao redor estavam as casas da família Ummar al-Zanati, um dos fundadores do kibutz. No meio havia uma antiga estrutura de pedra que servia de pedra. No pátio do pátio estava o vagão que era usado para a fazenda

Lula Grelhada com Arroz da Tinta