quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Apenas um milagre pode salvar o Brasil: reflexão sobre o tema mais atual do momento: politicos, partidos e candidaturas.

Reflexão sobre o tema mais atual do momento: politicos, partidos e candidaturas.

ilustração: Retirantes 2014©Sergio Nedal
     O sistema politico ou democracia, substitui a religião, os reis, as ditaduras, e foi a forma que os antigos corruptos encontraram para organizar a sociedade de acordo com a vontade dessa mesma classe politica. Trata-se de uma forma antiquada e obsoleta de poder, por diversas razoes, coletivas e particulares. O caráter humano sofre distorção natural, ao assumir um cargo publico. Apesar da corrupção que percebe em seu entorno e sistema, o eleito, a pessoa atrás do cargo, desaparece. Na maioria dos casos, mudou seu comportamento. Lula fez isso como poucos. Alguem já viu um politico ou juiz do supremo assumir algum erro, pedir perdão publicamente? Pasme, isso existe sim, no Japão, já vimos na Europa, nos USA, mas no Brasil?

Apesar da maioria dos indivíduos acreditar o contrario, não existe honestidade pessoal na atividade política, assim como em outras áreas onde a lisura deveria ser máxima, como no poder judiciário e no legislativo. Palhaços são eleitos, num sinal de escárnio do eleitor: entre os  mais votados surgem figuras polemicas, pastores e figuras do radio e TV. O problema esta na questão da banalização da política. Não existe mais o candidato, ou o partido que realmente represente a sociedade, por uma razão simples: não existe uma sociedade civil real no Brasil. Essa sociedade, com leis e direitos, existe apenas para uma minoria, independente de classe social. O brasileiro se tornou o povo da vantagem, do jeitinho e do voto inútil. Do administrador que rouba mas faz e é eleito por favorecer determinada classe ou parcela da sociedade que se identifica com sua figura.

Numa verdadeira democracia, séria, a justiça estaria acima dos outros poderes, dos partidos inclusive. Isso acontece em países como Israel, por exemplo. Os partidos ali, representam uma realidade do país, de sua sociedade, civil e religiosa. Num mundo globalizado e já pequeno para bilhões, o individualismo é cada vez mais necessário e tecnológico, mas permite interação com os problemas do planeta. A educação para a natureza e mercado, através de entretenimento popular,

uma boa saúde, são as únicas saída para a sociedade moderna, desde que regulados pela oferta e procura, sem o desperdício que assistimos hoje calados. O capital natural e a moeda eletrônica, assim como o domínio publico e privado, são os conceitos do futuro.

Quanto aos partidos e estrutura, a escolha de modelos apresentados por partidos, pode parecer coisa saída de filme de ficcao, como Marina Silva, ou o PT e outros indivíduos sem partido e  totalmente aleatórios. Não existe diferença entre a candidata a reeleição e o outro. Ambos representam uma proposta política que não funciona e a do PSDB é tão frágil quanto a do PT, pois representa a oligarquia e algumas famílias. Aécio não significa abertura do mercado e legalização das drogas, pelo contrario, pode ser mais reacionário e promete continuar com os programas de bolsas e espolio do caixa publico, alem do que a corrupção deve continuar, como sempre. Apenas um milagre salva o Brasil de sua própria ignorância.

Lula Grelhada com Arroz da Tinta