segunda-feira, 3 de setembro de 2012

Ninguém sai...

 Numa roda de de pôquer ilegal, como dessas que vemos nos filmes, que acontecem sempre numa suíte de hotel, todos fumando charutos, bebendo doses de uísque caubói. Um dos jogadores desconfia que alguém está roubando. Talvez as cartas estejam marcadas ou na manga de um dos jogadores, outro ás de ouros...ninguém sai, diz o jogador que está perdendo, sacando sua arma...Surpreendentemente, ninguém esta armado, apenas o "perdedor".
       
 Este ameaça atirar e manda todos para o chão, como nos filmes. Pega o dinheiro sobre a mesa, celulares, chaves, anéis, correntes de ouro e os relógios que estavam sendo apostados. Arranca o fio do telefone, sai da suíte e pega o elevador, mas ao chegar no lobby do hotel é cercado pelos seguranças. Não percebeu que o ambiente estava sendo filmado.

Mais ou menos esse é o cenário que norteia as relações entre os setores do  poder no Brasil.
Um sistema político democrático, mas estruturado em três poderes que não se entendem muito bem: entre eles um judiciário arcaico e comprometido com o poder. As demandas e necessidades do povo e do país não são nunca atendidas. Mas o sistema oprime o cidadão de um tal modo, isso quando não o executa a sangue frio. E tome mais leis e regras dos engravatados, impostos, obrigações de votar, disso daquilo e proibições de plantas e substâncias naturais, o que parece absurdo mas existe. As leis são ditadas por interesses próprios das elites oligárquicas e politicas, militares, hierárquicas, ao poder interessa manter a justiça e os excelentíssimos srs juízes em sua aba.

A justiça deveria ser livre e independente, nunca classista, institucionalizada, cartorial, governista, como vemos no Brasil. Apenas decisões erradas de uma sociedade terceiro-mundista, cuja imensa maioria é pobre estruturalmente, podem levar a esse nível distorção que assistimos e convivemos aqui. A mentira, a corrupção e cara-de-pau institucional se tornam nítidos em jornal, revista e audiovisual, na web e na mídia. Faltam boas escolas, educação não se aprende na TV!

O sistema perde a credibilidade perante a sociedade, que trata o assunto no mesmo nível que outros reality shows. O povo comenta nas ruas as novelas e o julgamento, além do futebol que ocupa muito  espaço livre do HD e do QI brasileiro. Andam pelas calçadas esburacadas, respirando gás, lendo jornais nas bancas, assistindo as TV nos bares e restaurantes, vibrando quando o novo herói togado afro-brasileiro faz mais um gol na corte. O povo tem sede de justiça e torce para colocar algum político corrupto na cadeia. Mas revolucionário que se preza se exila!

Claro que se trata se uma mixaria, dizem, um roubo infantil, uma quadrilha de exilados que se viu no poder e se achou no direito de roubar geral, se lambuzou. E isso é muito primário. Falta a experiência dos coronéis, dos caudilhos, dos bicheiros, afinal das contas no caixa dois da vida, o PT e seus asseclas são neófitos. Na manutenção do poder então, se comparados com a monarquia e a república de um partido só, do AI5, crianças se lambuzando. Eu chamaria isso de mesadão e não mesalão. Um detalhe, continuam mandando no país, inclusive parece que uma revista masculina está interessada e já  tem fotógrafos querendo clicar nua a chefe. Ninguém sai!!!!!

Lula Grelhada com Arroz da Tinta