quarta-feira, 20 de junho de 2012

Rio+40 ladrões


Rio+20, ou seria Alibaba+40 ladrões?

Rio, uma das cidades mais caras do mundo, abriga a Rio+20, conferencia da ONU sobre assuntos que os índios que moravam na cidade antes de serem aniquilados pelos brancos já eram doutores: sustentabilidade, ecologia, e muito mais. O português acabou com os índios e agora pretende acabar com o resto da população. Os impostos em cascata encarecem até o cafezinho expresso tirado na hora em máquina italiana, feito com grãos tipo exportação. Tomar a nossa Perrier junto com o café, se der para dividir em dois melhor, pois até a água mineral está pela hora da morte. Daqui a pouco estaremos bebendo água do mar dessalinizada com gás metano.


E como esta muito cara essa roubalheira fantasiada de conferencia, o pessoal de alguns países boicotou. Acho que  para resolver coisas que precisam ser resolvidas no mundo, como o fim do uso de energias que destroem o planeta a longo prazo, e a avaliação de outros tipos de energia mais modernos, não precisaria gastar mais carbono e inviabilizar o transito de toda uma cidade durante algumas semanas. E entre essas questões esta a energia nuclear. Claro que não pode ser resolvido no Rio, e sim entre os grandes poluidores e os países especializados nessas tecnologias. No dia que a Alemanha ou Japão resolverem sediar uma conferencia sobre como resolver os problemas recorrentes da produção de lixo, mudança do paradigma da economia em escala, energia alternativa, distribuição de renda, aí passarei a acreditar nesse tipo de iniciativa. Dinheiro público que falta nos hospitais a gente tem que ver sendo usado para fazer instalações futuristas no meio das favelas. Muito triste ver os pobres com seus crachás e uniformes achando que estão trabalhando como voluntários para alguma coisa, enquanto os mangues e os rios estão entupidos de pets e lixo orgânico, assoreando os mananciais. E ninguém pretende fazer nada na pratica para limpar as favelas, realocar os moradores, inexiste uma política publica no Brasil para isso e por que raios um pais de pobres com este precisa ver um monte de ricos em carros oficiais sendo escoltados por batedores?

Banir o Petróleo seria uma medida de extrema eficácia na redução das emissões de gases. Segundo cálculos publicados pela OMS, a maioria dos problemas de saúde relacionados com a qualidade do ar, se deve a exposição ao monóxido de carbono e os metais como mercúrio inalados na atmosfera das grandes cidades. O mesmo médico que trata nos hospitais, ajuda a produzir novos doentes com sua enorme pick-up a diesel ou gasolina. Mudar a mentalidade humana, dos países para adoção de políticas econômicas e sociais mais coerentes e conscientes, utilizando os recursos que a natureza disponibiliza, educando as gerações para explorar respeitando a liberdade de opinião de cada indivíduo e a cultura dos povos. Isso não se consegue com globalização e sim com educação e preservação da cultura e tradição de cada povo. Com o ensino das origens de cada um e não com o negacionismo, como pretende o Iran.

O mundo vive hoje dias conturbados, com ideologias religiosas pretendendo manter o Homem na escuridão da Idade Média, dormindo no tapete persa, discriminado a mulher que agradece por levar uma vida escondida atrás de seu lenço, preparando o sanduíche de azeite e queijo de cabra, que leva em sua lancheira todo dia para o palácio presidencial, de onde comanda humildemente um regime que espalha pelo planeta, todo o ódio que sente pelos americanos e judeus, especialmente. Vende seu petróleo que ajuda em muito seu plano maligno de conquista do mundo pelo Islam. 

A verdadeira guerra se dá hoje nesse plano: manter as mentes ocupadas com valores religiosos, se entregando ao sacrifício contra os valores mundanos e a liberdade, o arbítrio. Gog e Magog. Essa guerra do fim do mundo não precisa armas convencionais, apenas o terror basta para destruir moralmente o inimigo. E o petróleo ajuda a financiar as operações contra a civilização, o acesso a informação, a liberdade de pensar e ser livre. Por outro lado, os próprios países árabes, vivem uma falsa primavera, que na melhor das hipóteses, acaba considerando liberdade democrática algo parecido com o Iran, para se livrar do opressor e de regimes ditatoriais que exploravam o povo, elegem a verdadeira e mais perigosa das ditaduras: a islâmica. Aceitar alguém como esse baixinho persa como líder de uma nação, com sua falsa humildade e seu fervor religioso explosivo, parece piada em pleno século XXI. Xerxes era tão humilde como Ahmadinejad, também pretendia dominar o mundo e era feio.

Fica claro que esse cara é o protótipo de um Adolf Hitler, e a concepção dele sobre xiismo é nazi-fascista: seu discurso negacionista do Holocausto, o spinning mais provocativo que já foi criado: no fundo, nada mais é do que uma negação da História. Não esquecer que os islâmicos foram aliados dos nazistas e o próprio nazismo inspirado em alguns aspectos da pureza ariana, que nada mais é do que um ramo persa. Curiosamente, apesar do ódio a Israel e tudo que representa, a lei do  Islam permite que os judeus vivam e mantenham suas riquezas no Iran, continuem observando as leis e tradições, mas estão proibidos de sair, como em Cuba. Não restará nenhuma ideologia sobre a face da Terra, além do Islam, segundo Ahmadinejad, o califado será em Jerusalém, sem espaço para discutir o que quer que seja, muito menos sustentabilidade. E como ele são seus colegas Hanye do Hamas, entre outros líderes que parecem inocentes, o recém eleito presidente do Egito. 

Trazer essa escória da humanidade, esse verdadeiro lixo tóxico para o Rio, é um crime contra a população de todo o país. Contradiz qualquer iniciativa dessa conferencia e tira a credibilidade e demonstra as verdadeiras intenções de todos os organismos ditos mundiais: são apenas vítimas da ilusão coletiva em que o mundo caiu após a segunda grande guerra mundial. Do poder das ideologias políticas sobre as religiões. Marx estava errado, o capital e o ópio são sócios, e D'us não ganha nada com isso!

Lula Grelhada com Arroz da Tinta